Meu amigo casado

Santa Catarina, BR

O anunciante não colocou nenhuma foto
3 semanas atrás 63 hits ID #2129

Descrição

Conheci o Carlos numa festinha do amigo dos nossos filhos. Ele moreno, bom de papo, muito educado e gentil deveria ter na época uns 38 anos. Ele engenheiro de uma empresa grande estava em Tubarão SC com sua família a trabalho por tempo inteterminado. Sentamos na mesma mesa e logo rolou afinidades. Gostamos de cerveja, do mesmo estilo musical e ele assim como eu, ele era corredo amador. Mal nos conhecemos e já parecia que eramos amigos de infância, isso levou a outros encontros sem que eu percebesse o que ia dar no fim. Nunca tinha imaginado eu pelado abraçado com outro homem. Depois de alguns encontros sociais e várias cervejas, combinamos de treinar num fim de semana. Chegamos praticamente juntos no local escolhido. Começamos a alongar, ele se ofereceu para segurar meu pé, para que alongasse a perna e percebi que olhou em direção ao meu saco (eu estava de short de corrida e a cueca é de tela). Depois da corrida, bebemos uma água de coco, conversamos, falei que estava satisfeito de tê-lo como amigo, então ele me convidou para conhecer sua casa. Lá ele me mostrou toda casa e depois me ofereceu uma cerveja. Setamos lado a lado e sem querer ele pegou na minha perna, como não reagi ele falou algo e me deu um beijo, levantei assustado e perguntei que palhaçada era aquela, ele se desculpou e falou que era algo mais forte. Fui embora e ficamos sem conversar por um bom tempo. Mal sabia que a partir daquele dia, meus preconceitos iam mudar. Carlos me despertou um desejo que até então não conhecia. Estava num bar com minha esposa, quando ela avistou sua amiga, a esposa do Carlos, chegando. Fiquei nervoso, mas não tinha como sair, sentaram e aos poucos fui ficando a vontade com meu amigo. tomamos algumas cervejas e depois fui obrigado a ir no banheiro, Carlos me acompanhou e desta vez deixei que ele olhasse meu pau e tbm olhei o dele, rimos da situação e voltamos para a mesa. Estava mais a vontade, tinha refletido sobre o que o acontecido e vi naquela noite que poderia experimentar algo novo com alguém de confiança. Final da noite combinamos de voltar a correr. No dia seguinte, não conseguimos correr, ressaca e ansiedade de ficarmos sozinho, não deixou nem dar uma volta caminhando. Fomos para casa do Carlos, eu sem experiência, mas com muita vontade de ver o que ia acontecer. Deixei que Carlos conduzisse tudo. Ele me abraçou forte, eu comecei a tremer, mal conseguia ficar em pé, tiramos a camiseta e ele começou a pegar firme no meu pau. Roçava o dele no meu por cima dos shorts, beijava minha boca com vontade, baixou pos meu pau duro pra na boca e começou a chupar, era inacreditável aquilo, meu coração disparado. Comecei a fazer o mesmo. Deitamos na cama e entre beijos e pegação, ele sugeriu um 69, incrivél sentir o calor da boca dele no meu pau e o gosto do dele na minha boca. Carlos pediu que chupasse seu cuzinho, uma bunda lisa, com pelos no reguinho, um cuzinho rozado, caí de boca, nessas alturas parecia que era um garanhão, fudedor de macho. Ele sentia tanto prazer em receber minha lingua na bundinha, cuzinho e entre suas pernas que entre susurros, pediu para eu o penetrar. Pegou na sua mochila um sachê de lubrificante e camisinha. De frente ficamos beijando, pau com pau, quando eu não aguentava mais, pus ele de bruço deitado na cama, eu de camisinha passei gel no meu pau e no cuzinho dele. Comecei a massageá-lo, deitei por cima entre suas pernas, coloquei meu pau na portinha e comecei a empurrar devagar até entrar tudo. Minha boca procurava suas orelhas, nuca, Carlos de tanto prazer gozou com meu pau dentro e eu já não aguentando mais tbm gozei. ficamos parados, extasiados eu ainda em cima dele exausto, mas feliz em ter um amigo assim. Viramos e num abraço forte beijamos mais uma vez antes de voltarmos ao mundo real.

Contatar Joao

Comentários 1

Meu amigo casado por Rui Jorge Santos 2 dias atrás

Ola João adorei o relato continua tenho a certeza que voltaste a encontrar como teu amigo. Relata por favor. Obrigada um abraço