A minha primeira vez com o meu padrasto

BR

O anunciante não colocou nenhuma foto
7203 hits ID #1561

Descrição

A minha primeira vez na cuninha Fui iniciada pelo meu padrasto que tinha 50 anos. Chamava-se Vilar, ( era meu padrasto) e era empreiteiro da construção civil. Era um homem com uma educação rudimentar, pois trabalhara nas obras toda a vida, mas lá montou a empresa dele. Tratava-me com carinho. Carinho até demais... Primeiro começou por me oferecer prendas, depois levava-me ao shopping e deixava-me comprar roupas de marca. Até me dava dinheiro para ir ao cinema. Mais tarde ele começou a dar-me dinheiro às escondidas da minha mãe. "toma 50 euros, querida e vai comer um gelado com as tuas amigas", dizia ele. Numa noite quente de Agosto, a minha mãe estava de piquete na empresa de limpezas eu fiquei sozinha com ele, em casa. Sem querer, surpreendi-o a brincar com o o penis frente ao computador. No ecrã, uma rapariga jovem engolia desenfreadamente o penis de um homem mais velho. "gostavas de fazer o mesmo, querida?" - indagou Vilar. Tive uma sensação estranha, um misto de ansiedade e desejo. Hoje sei que foi tesão! "hummm... ha... nao sei" ...- gaguejei , enquanto o vi tirar o penis de dentro das calças. Era grosso. Nunca tinha visto um penis a nao ser nos smartphones das minhas amigas, na escola. Eu nao tinha um. "Anda cá, que eu ensino-te" - Ordenou ele. Aproximei-me devagar e permiti que ele me afagasse o cabelo - Tens uns lindos cabelos, minha loirinha linda" - sussurrou, fazendo-me sinal para me ajoelhar frente a ele. "mete-o na boca, minha putareca" - Disse com tom autoritário. comecei por tentar engolir , tentando imitar a tipa do video, mas deu-me nojo e quase vomitei. "Anda lá, putareca, que nao te vais arrepender. Se fores uma boa menina, nao vais precisar de trabalhar mais naquela fabrica de merda". Voltei a insistir, mas desta vez mais dedicada. afinal estava a ter um excelente incentivo. Preferia mamar o caralho do velho todos os dias, do que ir trabalhar para aquele sitio. -"vês como aprendeste depressa, minha putareca?" - Afirmou ele feliz, enquanto fumava um cigarro mal cheiroso. Continuei a abocanhar e a sugar o pénis, aumentando a velocidade. Talvez porque queria que aquilo terminasse depressa. Contudo eu nem sabia quando aquilo terminava ou como terminava, até que senti um sabor estranho, era um liquido viscoso e quente que me inundou a boca toda. O Vilar gritou e uivou nem um cao ferido. Parei, pois pensei que o tinha magoado. -"ah minha putareca, ja nao me vinha assim, ha anos". Nessa noite fui para a cama e nao consegui dormir. Estava confusa, pois afinal tinha gostado da experiência. Ainda fui importunada pelos gritos da minha mae, no quarto ao lado a ralhar com o Vilar por ele se ter recusado a come-la naquela noite. -"amanha vou foder com meu patrao, filho da puta" - rosnava ela, com aquela voz rouca e irritante que a caracterizava. Toda esta experiência era novidade para mim, mas acabei por adormecer perto das 5 da manha. Decidi nao ir trabalhar nesse dia, tentar inventar uma gripe ou algo do tipo para a velha não me chetar. Foi quando reparei num envelope que se prostrava ao lado do despertador. Abri e estava recheado de notas azulinhas de 20 euros.Eu nunca tinha tido notas de 20 na mão, pois o meu ordenado da fabrica ia directamente para a conta da minha mae, e era ela que me comprava o passe, e dava- me umas moedas para o café. Comecei a contar, tremula. Uma... duas três... Ao todo estavam mil euros dentro do envelope. Até as deixei cair com a atrapalhacão. Mil euros era o que eu ganhava na fabrica em dois meses de trabalho. Notei que havia um bilhete ao lado das notas. -"Minha putareca, se te portares bem, tens mais. Nao contes à mãmã beijos". Passado um mês, eu ja tinha um Smartphone, e só vestia roupas de marca. As vizinhas começaram a cuscar de mim. Afinal eu tinha deixado de trabalhar , e comecei a ter outra aparência. Quando passava por elas na rua, mandava-as pró caralho e seguia em frente. Nesta altura, o meu padrasto ja tinha sido responsável pela perda da minha virgindade e fazia sexo habitualmente comigo, na ausência da minha mae. Eu nao odiava o meu padrasto, pois ele foi sempre franco comigo, e nunca me forçou a nada. Eu fiz porque quis! Era uma pita? era! e para trabalhar, nao era? - foda-se!! Andava sempre com montes de dinheiro, e sentia que ser "puta" nao era assim tao mau como isso, afinal o dinheiro também nos dá "poder". Trabalhar numa linha de montagem de uma fabrica de sapatos é que nao nos dá nada. Nunca via o dinheiro, e ainda era explorada à força toda. Tipo... quem aguenta uma vida assim? Mais tarde, o meu padrasto começou a pressionar-me com ideias de fazer sexo anal comigo. Comecei a experimentar sozinha no quarto a enfiar objectos no rabo, mas aquilo era doloroso demais. Fiquei com receio que se me cortasse, ele também me cortava as "mesadas" rechonchudas . Tinha de praticar sozinha antes de ele me saltar para cima. Às vezes estava bebado e esticava-se um bocado, mas comecei a habituar-me e como dizem por ai "primeiro estranha-se, depois entranha-se". Foi quando decidi ira a uma sex Shop no Porto e comprar um dildo. A cota que estava ao balcão foi muito simpática comigo e ajudou-me a escolher. "sabes, eu no meu tempo nao havia nada destes brinquedos. "Eu comecei a praticar sexo anal com um pepino minha querida" - "ah ...ok" - balbuciei evitando nao rir. Ao fim de duas semanas ja estava preparada. Até podiam vir pepinos e beringelas. Aliás comecei a sentir que tinha bons orgasmos quando brincava com o dildos, enfiando-o bem fundo, no cuzinho. Eu sabia que a minha mae ia estar de piquete nesse dia, portanto o Vilar, ia querer saltar -me para cima. -"anda cá putareca, temos que conversar" - Proclamou o velho. Aproximei-me dele devagar, e passei-lhe uma bisnaga de gel lubrificante para a mão. - " que merda é esta, caralho?" - Rosnou, estreitando as fartas sobrancelhas. - "É para nao me magoar senhor Vilar" - redargui. - " Ah, sempre queres que te c*** o rabinho, minha putareca?" -"quero, senhor vilar" - Então vira-me esse cu, minha vitelinha." O cabrao do velho passou o gel no meu anus, de um modo desleixado, e de seguida, encavou-me o pau no cu, de uma vez só. Gritei e fingi que tinha sentido dor, mas não passou de um "teatro" meu, pois o meu cuzinho já estava mais que preparado. O velho agarrou me com as suas mãos robustas e calosas nas ancas e começou a bombar-me devagar. - "gostas no rabinho, putareca?" -" ui, sim, é bom... mais" - gemia e pedia mais e mais. Por fim o velho esporrou-se no meu anus, e voltou a gemer nem um cao. fora rapido, como eu calculara. Afastou-se de mim, puxou as calcas para cima e sacou da carteira. - "Queres dinheiro, nao é, minha chula de merda?" - "quero senhor Vilar"- retorqui confusa, pois ele nunca me tinha feito esta pergunta apos o sexo - "toma, é tudo o que tenho"- Grasnou ele, atirando-me uma nota de 20 para cima " -"Foda-se, o quê??" - "queres mais, vai atacar pra estrada" . Agarrei nas minhas roupas e fui para o quarto com vontade de lhe espetar com um vaso nos cornos. Mais tarde apercebi-me que ele andava a comer uma Brasileira que lhe fodia o "arame" todo. Nao demorou muito até ele ir à falência e fechar a empresa. Para adoçar a cena, ela meteu-lhe os cornos e bazou para o Brasil. Ele, cachorro, abandonou-nos e foi atrás dela! Gostava de ser corno ! :) FIM Skype Sissy gulosa

Contatar Ligia

Comentários 0

Nenhum comentário foi adicionado ainda