Chorando na "tora"

BR

50 hits ID #1746

Descrição

Eu sou muito caipira. Fui criada no campo até depois de casada. Não saia da beira da represa, do mato, das coisas da roça. Não sou mais tão jovem, mas aprontei bastante. Longa história. E hoje vou contar uma que aconteceu comigo e a minha irmã mais velha.

Ela é minha melhor amiga de toda vida. Na época que eu aprontava, era ela quem me dava cobertura. Ela sempre fazia das dela também, mas quase sempre era eu quem a colocava nas situações.

Beira de represa era um lugar muito frequentado. Pessoal da cidade, da roça, todo mundo aparecia por lá pra passar o final de semana. Tinha gente que acampava ou dormia no relento mesmo. Era um lugar ótimo pra gente conhecer pessoas e namorar.

Eu comecei cedo. Mas o caso aqui é de um momento em que eu já estava casada, meio descasada. Eu tinha um rolo, um cara com que também era casado e que me encontrava de tempos em tempos por lá. Eu ia como quem não quer nada, minha irmã passava na casa dele como quem não quer nada e deixava bilhete.

Acontece que ele também tinha um irmão que era caidinho pela minha irmã. Um dia deu certo e eles ficaram (transaram) no mato. Daí pra frente, toda vez que dava certo de eu ir, o irmão também ia. E havia um lugar que a gente chamava de cabana. Era uma árvore muito grande, mas baixinha. Ela fazia uma sombra enorme, daí o nome. E debaixo dela existia um tronco caído, uma árvore que foi derrubada pelo vendo. Com o tempo, sobrou só a parte mais grossa.

Era desse lugar que a gente ficava escondido durante o dia, pois era distante da margem e não tinha trilhas perto. Sei que nessa ocasião, fomos pra lá. Levamos umas bebidas e ficamos bem alegrinhos. Não era pra beber que eu ia. Queria transar, pois o meu marido era um "bosta".

Eu não perdia muito tempo. Saia pra um canto com ele ou ia para o tronco. E um irmão puxa o outro e uma irmã puxa a outra, tudo meio misturado, uma do lado da outra. A gente fazia o que dava pra fazer, não era como num motel. Mas rolava um pouco de tudo. Fui chupada e chupei pau com cerveja. Meio esquisito, mas o gelinho é gostoso. A minha irmã abusava da chupação, como gostava. A gente via uma à outra fazendo sexo e achava a coisa mais natural do mundo.

A minha irmã era fraca pra bebida. Uma latinha e ela já ficava mole, duas ela saia do ar. Sei que nesse dia nós duas ficamos um pouco altas com a bebida e nem esperamos pedirem. Eu me despi por baixo da saia e rodei minha calcinha no dedo. A mana nem precisou tirar, foi logo despida e levada para o tronco. A posição é a de sempre, né? A gente se apoiava no tronco, bunda pra cima e tomava gostoso.

Nesse dia a minha irmã tinha bebido mais que o costume e o parceiro dela acho que aproveitou. Sei que ela gemia baixinho "ai meu cuzinho, ai meu cuzinho..." e o cara nem aí. Ele a segurava, puxava pra cima, não deixava escapar e só metia na bundinha dela.

A gente não tinha compromisso. Era só transar e ir pra casa cuidar da vida. De vez em quando uma mão diferente acabava na minha bunda e da minha irmã. Isso era quase uma troca, mas ela só aconteceu nesse dia.

O rolo da minha irmã comeU ela com tanta vontade que quis foder com ele. Não vi e falei: vamos trocar um pouquinho? Minha irmã deu uma risada maligna e falou "vamooooo...".

A gente trocou. Passou saliva no pau e no meu furico, colocou no meu bumbum e mandou ver. A sensação era ótima, eu estava meio anestesiada também. Já o meu rolo, pegou a minha irmã de quatro no chão e meteu nela tão gostoso que cheguei a sentir um ciuminho, mas esperei pra ver ela gozando. Assim que ela deu aquele suspiro e se largou no chão, pedi o pau do meu rolo na minha xoxota. A gente fez uma coisa lá, eu fiquei com a perna no braço de um e tomei na xana por baixo, torto, o pau não entrava direito. Enquanto isso, a mesma coisa na minha bunda, não ia. Aí eu sentei no colo de um no chão e empinei o bumbum. Também não deu muito certo. A gente revezou e a minha bunda melou primeiro. Não deixava gozar dentro da xoxota, claro, terminava na mão ou na boca.

A gemeção foi até tarde naquele dia, o chão ficou todo marcado de pés. Foi um tempo bom. Felizmente tempos melhores vieram.

Comentários 1

tesão por tesão 3 semanas atrás

que tesão !!